Novo preço do etanol passa a valer em março

28/01/2015
Steven Goodwin, SXC
Steven Goodwin, SXC

Consumidores devem perceber redução no preço do etanol somente em março. No final do ano passado foi aprovado projeto de lei que reduz a carga tributária sobre o álcool combustível, de 19% para 14%. Com a aprovação do projeto em 2014, o reajuste será aplicado ainda este ano, mas conforme determina a lei, foi estabelecido prazo de 90 dias para aplicação do novo índice, que passará a valer a partir de 18 de março.

Alguns leitores procuraram o Jornal da Manhã questionando a aplicação do novo índice e o motivo pelo qual ele ainda não entrou em vigor. De acordo com o presidente da Associação das Indústrias Sucroenergéticas de Minas Gerais (Siamig), Mário Campos, é preciso seguir o prazo estipulado na lei. "Conseguir a redução do ICMS sobre as operações com álcool combustível foi uma ótima notícia para o setor produtivo. A expectativa era grande em torno desta redução. Há anos estamos trabalhando no assunto, com intuito de tornar o preço do etanol mais competitivo. Enfim, conseguimos a aprovação e o novo índice entra em vigor a partir de março", explica.

Contudo, Campos destaca que é necessário que os outros elos da cadeia, ou seja, os distribuidores de combustíveis e postos revendedores passem essa redução para o preço final, para que assim o consumidor possa contar com o valor mais barato. "Não acredito que irá demorar muito para sentir a redução do imposto. O mercado é dinâmico, o estoque nos postos de combustíveis é pequeno, portanto, acredito que em menos de uma semana, assim que entrar em vigor, isso já irá se refletir em preços mais baixos", afirma o presidente da Siamig. Ele lembra ainda que o objetivo da medida é ter preços mais competitivos na ponta, mas para isso é preciso a participação de distribuidores e postos.

Quanto à produção da cana de açúcar, Mário explica que a safra começa em abril, portanto, no dia em que o novo índice entrar em vigor será no final da entressafra, que é um período propício para redução nos preços, pois a oferta aumenta e ao mesmo tempo terá a redução na carga tributária. "E a expectativa de queda nos preços é ainda maior no Triângulo Mineiro, devido à logística, que é mais barata, pois em Uberaba e Uberlândia existem bases de distribuição, o que é um fator a mais para preços menores", afirma Mário Campos.

Fonte: Udop, com informações de Jornal da Manhã

Faça um comentário
Imprimir

Avaliar

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Resultado da Avaliação:

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
0

Deixe o seu comentário:

Indique a um amigo: