Agro+ dará maior sustentabilidade à agricultura

22/02/2017
Imagem retirada de http://www.agricultura.gov.br/agromais/
Imagem retirada de http://www.agricultura.gov.br/agromais/

O apoio do setor rural paulista ao Plano Agro+ reuniu mais de 700 pessoas em São Paulo, quando o presidente da República, Michel Temer; o ministro da Agricultura Blario Maggi; Geraldo Alckmin (governador de São Paulo), e Fábio de Salles Meirelles (presidente da Faesp) lançaram o Plano Agro+. O programa busca a modernização do agronegócio para reduzir o custo das atividades do setor e combater a ineficiência gerada pela burocracia.

A expectativa do governo com a regionalização do programa é ter um ganho de eficiência estimado em R$ 1 bilhão, valor que representa 0,2% do faturamento anual do setor, calculado em aproximadamente 500 bilhões.

Em 2016, as exportações do agronegócio paulista somaram US$ 17,9 bilhões, com acréscimo de 12,8% em relação a 2015, informou a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do estado de São Paulo. Os setores com maior destaque foram o complexo sucroalcooleiro, carnes, sucos, produtos florestais e complexo soja.

Adesão ao plano
Antes de São Paulo, apenas Rio Grande do Sul lançou o Plano Agro+ estadual. Rondônia está com o lançamento programado para março e Distrito Federal para maio, durante a feira AgroBrasília . Os estados de Mato Grosso, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Bahia, Rio de Janeiro e Goiás já demonstraram interesse ou estão com seus planos avançados.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) disponibiliza aos estados as informações necessárias à implantação do Agro+ e uma lista de passos para a estruturação dos modelos locais.

Fábio Meirelles disse que o Plano Agro+ representa uma oportunidade para uma profunda desburocratização dos processos relativos ao Agronegócio, podendo impulsionar sobremaneira os fluxos de produção e comércio. "Ele não é um fim, mas um meio para os nossos objetivos maiores", observou. Ele é um exemplo do esforço do setor privado para elevar a produtividade e a eficiência, a partir da idealização do sistema Faesp-Senar e Sebrae São Paulo.

O objetivo é levar tecnologia ao campo e viabilizar novas estruturas de comercialização com menos intermediação e mais agregação de valor, diretamente do "campo ao consumidor".

Fábio Meirelles observou que são necessárias: desburocratização, simplificação e redução do crédito rural; fortalecimento da política de gestão dos riscos agropecuários (climático e de mercado), vez que esta é a palavra de ordem política agrícola do século 21,e redução da violência no campo.

O governador Geraldo Alckmin falou das medidas que visam a desburocratizar o agronegócio e estimular as exportações do setor. O objetivo é reduzir o custo e as ineficiências das atividades do agronegócio.

Alckmin destacou em seu discurso a expectativa do "mundo inteiro" de que o Brasil consiga garantir o fornecimento de alimentos com sustentabilidade e ressaltou que a agricultura brasileira é a mais competitiva do mundo. Ele disse ainda que políticas de juros baixos e de moeda sobrevalorizada reduziram a possibilidade de competitividade.

São Paulo, lembrou Alckmin, é o segundo Estado a implementar o Agro+, depois do Rio Grande do Sul.

Plano Agro+
Com medidas de curto, médio e longo prazos, o Agro + tem dois eixos: Modernização e Desburocratização e o Marco Regulatório do Plano de Defesa Agropecuária. O foco é a redução da burocracia, que hoje interfere na execução dos serviços.

Para tanto, o Mapa acelerou a implementação do Manual do Boas Práticas Regulatórias de Defesa Agropecuária e priorizou as demandas de automação desta área. Isso está sendo feito por meio de portarias e instruções normativas para reorganizar e fortalecer a tramitação de normas.

O ministério também vai estabelecer cooperação com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) para desenvolver ferramentas capazes de agilizar a troca de informações entre as autoridades sanitárias e os países importadores do agronegócio brasileiro.

Medidas do Plano Agro+:
- Fim da reinspeção nos portos e carregamentos vindos de unidades com SIF
- Lançamento do sistema de rótulos e produtos de origem animal
- Alteração da temperatura de congelamento da carne suína (-18ºC para -12ºC)
- Revisão de regras de certificação fitossanitárias
- Aceite de laudos digitais também em espanhol e inglês

Fonte: Udop, com informações da Faesp

Faça um comentário
Imprimir

Avaliar

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Resultado da Avaliação:

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
0

Deixe o seu comentário:

Indique a um amigo: